Poesia: Fragmentado

Sou o que sou
Também sou o que dizem
Sou o que digo ser
Sou  o que sou
Sou vento gelado para os dias quentes
Sou sombra para os dias de extremo sol
Sou rio que corre e deságua em lugar nenhum
Sou apoio de mesa bamba
Sou cadeira para os cansados
Sou folha seca levada ao vento
Sou matéria ocupando lugar no espaço
Sou rastro estelar em decomposição mundana
Sou o homem de aço
Sou pai
Sou mãe
Sou irmão
Sou filho
Sou o que sou
Sou tudo o que dizem
Sou tudo o que digo ser
Sou casa vazia
Sou dia nublado
Sou o homem angustiado
Magoado e amargurado
Completamente quebrado
Sou tristeza
E alegria
Sou tudo
Sou nada
Sou o início
Sou o fim
Sou fragmento de tudo
Um espaço entre todos
São tantas coisas pra ser
Mas não sou quem quero ser
Não sou quem imaginava
Muito menos quem sonhava
Sou um terço
Mas não três completo
Sou apenas uma versão inacabada
Um beta
Uma versão reduzida
De talvez um homem.

*Poesia originalmente postada no projeto #ÀsSegundasLemosPoesias, no Instagram da AsM Editora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *